“"A vida segue. O tempo apaga." Frases clássicas de alguém no ato de consolar uma pessoa querida e tal se encontra em um estado de desolação. Na tentativa falha de evitar o espetáculo do desespero, proferem esses pequenos deslizes. Desculpem-me os que acreditam assim ser a resolução dos problemas existentes, a espera. Pois, só quem já viveu, uma grande decepção, uma grande queda irreversível, aqueles que já se encontraram em um beco sem saída, sabe do que falo. O tempo, ele só castiga mais o sentimento surrado. Coloca apenas um pó hemostático na ferida, evitando que o sangue escorra, mas não cicatriza. Fica impregnado na pele, uma mancha, uma marca de dor que o tempo não elimina. Ao olhar, se lembrará como aquele machucado foi parar naquele lugar e sofrerá tudo pela segunda vez, terceira, quarta… Infinitas vezes. Até o tempo passar demais e seu corpo deixar de existir e sentir.”
tangenciar (via tangenciar)
“Sofia sofria de amor.
Chorava de noite
Sorria de dia
Escondia sua dor.
Sofria a pobre Sofia.”
Maria Clara.  (via terminar)
“Se eu amo, dou tudo. Meu dinheiro, meu tempo, meu corpo, meu cachorro e o dinheiro do meu cachorro. Assumirei suas dívidas e projetarei em você qualidades incríveis que você nunca cultivou em si mesmo. Darei tudo a você, até ficar tão exausta e debilitada que o único modo de me recuperar será me apaixonando por outro.”
Comer, Rezar, Amar.  (via amortizava)
“O mal do século XXI
É o mal de alzheimer que aflora nessa gente:
Esquece que falou.
Esquece que sentiu.
Esqueceu que amou.
Esquece que existiu.”
O Boteco.  (via tangenciar)
“Quero não sentir medo. Quero me entregar mais, me jogar mais, amar mais. Viajar até cansar. Quero sair pelo mundo. Quero fins de semana de praia. Aproveitar os amigos e abraçá-los mais. Quero ver mais filmes, ler mais. Sair mais. Quero não me atrasar tanto, nem me preocupar tanto. Quero morar sozinha, quero ter momentos de paz. Sorrir mais, chorar menos e ajudar mais. Quero ser feliz, quero sossego. Quero me olhar mais. Tomar mais sol e mais banho de chuva. Preciso me concentrar mais, delirar mais. Não quero esperar mais. Quero fazer mais, suar mais, cantar mais e mais. Quero conhecer mais pessoas. Quero olhar para frente. Quero pedir menos desculpas, sentir menos culpa. Quero mais chão, pouco vão e mais bolinhas de sabão. Quero ousar mais. Experimentar mais. Quero menos ”mas”. Quero não sentir tanta saudade. Quero mais e tudo o mais. E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha.”
Fernando Pessoa  (via relatada)
“Isso não é sobre você. Isso é para todos os que fizeram meu coração de pousada. Isso é para todos os babacas que fizeram os corações alheios de hotel. E o pior é que quase nunca pagam pela moradia, apenas se instalam. E como se o coração não fosse o bastante. Acomodam-se nas veias, no pulmão, no sistema nervoso e por fim, alojam-se em todo o corpo, mexendo até mesmo com o psicológico. Amar é uma coisa. Usar o sentimento de alguém em benefício próprio é coisa de gente sem escrúpulos. Você se assustaria com a quantidade de pessoas sem escrúpulos que estão espalhadas por aí. Digo por experiência própria, devido à má sorte que tive de esbarrar com alguns. São do tipo: amantes de si mesmos, donos da razão e alguns possuem um sorriso bem encantador e um charme inegável. Mas se entregar é inevitável. Porque a vontade se ser feliz é maior. Então me apego a cada chance pensando que vai ser diferente. Porque amar é se jogar de um precipício e esperar que tenha alguém lá em baixo, de braços abertos, como se estivesse esperando eu cair. Ninguém, em hipótese alguma, quando ama, acha que ao invés de se jogar, vai ser empurrado. Mas foi o que aconteceu. Todas as vezes que me dispus a me apaixonar. Empurraram-me sem dó e nem piedade. E mesmo assim, me levanto e junto meus pedaços e tento outra vez. Porque no fundo, bem lá no fundo, eu sei que o mundo não é feito apenas de babacas. E se arriscar pra ser feliz vale a pena.”
Querido John.  (via incapacitado)